• Guarujá ganha nova subestação de energia para atender 109 mil imóveis



    A conclusão da obra está prevista março de 2020. Nova subestação promete beneficiar cerca de 109 mil clientes da região Divulgação/Elektro Uma nova subestação será construída pela Elektro, empresa responsável pela distribuição de energia, em Guarujá. O empreendimento promete ampliar a disponibilidade de energia para os clientes, beneficiando cerca de 109 mil pessoas da cidade. A conclusão da obra está prevista março de 2020. A subestação 'Guarujá 04' será construída em uma área de cinco mil metros quadrados, na Avenida Dom Pedro I, no Jardim Virgínia. Ela contará com nova tecnologia de equipamento isolado a gás que, segunda a empresa, trará mais praticidade na manutenção em casos de emergência. Assim, o tempo de espera para restabelecimento de energia deve ser reduzido. Segundo a Elektro, o sistema automatizado dispensa a presença de eletricistas e operadores na subestação para fazer manobras, que passam a ser realizadas pelo Centro de Operação da Distribuição (COD) em Campinas. Este tipo de equipamento exige uma manutenção praticamente nula ao longo dos anos e aumenta a confiabilidade, garantindo altos níveis de qualidade no fornecimento de energia elétrica. A primeira fase da obra contempla a terraplanagem do terreno para o início da construção da subestação. Também serão implementadas tecnologias de construção civil que reduzem o tempo de construção e resíduos pós-obra, o que garantirá a sustentabilidade do empreendimento. A conclusão da obra está prevista março de 2020.
  • Desconhecido atira na cabeça de rapaz flagrado espancando a esposa em SP



    Segundo a Polícia Civil, autor do disparo tentou apartar a briga entre o homem e a esposa. Vítima chegou a ser socorrida, mas morreu no hospital. Homem morreu baleado após agredir a esposa em Praia Grande, SP Reprodução/Folha da Baixada Um homem de 26 anos morreu baleado após espancar a esposa, de 25, em Praia Grande, no litoral de São Paulo. Segundo a Polícia Civil, Henrique Marques dos Santos foi atingido com um tiro na cabeça por um desconhecido, que tentou apartar a briga. O rapaz chegou a ser socorrido, mas morreu no Hospital Municipal. Ninguém foi preso. Ainda segundo os policiais, o crime ocorreu na noite deste domingo (15), após uma briga entre Henrique e a companheira. Eles estavam em uma casa, onde ocorria uma festa da família deles, na Rua Fumio Miyazi, no bairro Guilhermina. O casal teria começado a discutir, saindo de dentro da residência. Na rua, Henrique teria começado a agredir a esposa. Um homem que passava pelo local de bicicleta parou e tentou apartar a briga, entrando em discussão com o jovem. Em meio a discussão, ele sacou uma arma e atirou na cabeça de Henrique. Crime ocorreu em rua de Praia Grande, no litoral de São Paulo Reprodução Conforme apurado pelo G1, o autor do disparo estava com mais dois rapazes, mas fugiu logo após cometer o crime. A Polícia Militar foi acionada e compareceu até o local. Os policiais acionaram o Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu), que socorreu o rapaz, o encaminhando para o Hospital Irmã Dulce. Porém, o jovem não resistiu e veio a óbito durante a madrugada. O caso foi registrado na Delegacia Sede de Praia Grande, onde segue sob a investigação da Polícia Civil. O autor do disparo ainda não foi identificado.
  • VÍDEOS: Jornal da Tribuna 1ª Edição de segunda-feira, 16 de setembro



    Assista aos vídeos do telejornal com as notícias da Baixada Santista e do Vale do Ribeira. Assista aos vídeos do telejornal com as notícias da Baixada Santista e do Vale do Ribeira.
  • Ambesp Central de Santos tem atraso em obras e amanhece com reclamações



    Unidade foi fechada para reforma no dia 30 de agosto e reaberta parcialmente na última quarta (11). Local amanheceu cheio de pacientes insatisfeitos com o atraso das obras Marcela Pierotti/G1 O Ambulatório de Especialidades (Ambesp) da Região Central Histórica de Santos, no litoral de São Paulo, amanheceu com pacientes insatisfeitos e muitas reclamações. A unidade deveria retomar totalmente seus serviços nesta segunda-feira (16), mas o atraso na reforma do local impediu que a previsão da Prefeitura fosse cumprida. O Ambesp, que funciona em um imóvel localizado na Avenida Conselheiro Nébias, 199, no bairro Paquetá, foi fechado no dia 30 de agosto para intervenções emergenciais, como troca do forro de isopor, limpeza dos aparelhos de ar-condicionado, instalação de pontos de rede e impressoras, limpeza e higienização geral. Segundo apurado pelo G1, o local reabriu parcialmente na última quarta-feira (11), mas não foi possível terminar a obra por conta das chuvas que atingiram a cidade. Por isso, nem todos os serviços e consultórios estão funcionando nesta segunda, o que fez com que os pacientes fossem encaminhamos para outra unidade de saúde. A farmácia para retirada de medicamentos, por exemplo, ainda não retornou para a unidade. A população ainda aproveitou para reclamar sobre o agendamento de consultas, que deve ser feito por meio do 0800. Eles chegaram a dizer que o serviço é uma 'piada'. Essa mesma reclamação foi feita pelos pacientes da Ambesp do Complexo Hospitalar da Zona Noroeste. Eles garantem que o 0800 não funciona e a fila para marcar consulta com especialistas vem piorando a cada dia. Resposta Sobre a demora de atendimento no 0800, a Chefe do Departamento de Regulação em Saúde da Prefeitura de Santos, Ariana Gameiro, confirma que realmente existe esse problema e que estão trabalhando para resolver o mais rápido possível. Ela aproveita para relembrar que, antigamente, os moradores esperavam horas na porta dos dois Ambulatórios para pegar uma senha e agendar consultas, situação que foi modificada com a criação da Central de Agendamento. "Em maio de 2017 criamos a Central. Um ano depois instituímos o 0800 e hoje fazemos cerca de 19 mil agendamentos no ativo e mais 7 mil no reativo. A gente consegue, de fato, efetuar esses agendamentos. Mas, estamos com uma gama de ligações muito grande e hoje temos 10 profissionais na Central recebendo as ligações por meio do 0800. Desta forma, entendemos que precisamos de um serviço maior do que temos e abrimos uma licitação". Ariana afirma que já há uma empresa ganhadora e que essa mudança promete resolver a situação, uma vez que o número de agendamentos irá dobrar em relação ao que está sendo feito hoje. Porém, ainda segundo ela, o contrato deve ser assinado apenas em cerca de 30 ou 40 dias. Questionada sobre o que os pacientes devem fazer até lá, Ariana garante que o número de profissionais que atendem na Central de Agendamento já foi ampliado, para que seja possível aumentar o número de agendamento de consultas nesse período. Sobre a questão da reforma do Ambesp Central, que não foi finalizada dentro do prazo oferecido pela Prefeitura de Santos, o chefe do Departamento de Atenção Especializada da Secretaria Municipal de Saúde, Devanir Paz, explica que no início das intervenções a cidade foi atingida por vários dias de chuva, o que atrasou as obras do telhado e, consequentemente, a solução dos outros problemas da unidade. "Semana passada tivemos uma vistoria e agora conseguimos terminar nesta semana o que falta. A parte do telhado já está pronta e o forro deve ser finalizado na quarta. Nos dias seguintes vamos pintar e terminar o que falta. A previsão é que todos os serviços já estejam funcionando na próxima segunda-feira (23)". Quanto aos pacientes que chegaram ao local e não sabiam da mudança das consultas, Paz explica que tentaram contato com todos para avisar da alteração, mas muitas vezes alguns não atendem ou trocaram os números de telefone. "Mesmo assim, conseguimos resolver na hora e remanejamos esses pacientes para a Ambesp da Zona Noroeste e para o Serfis".
  • Caixa rejeita renegociar indenização paga a clientes lesados após roubo em Santos, diz Procon



    Procon de Santos, no litoral de São Paulo, poderá entrar com uma ação civil pública contra a instituição. Clientes não estão satisfeitos com o valor recebido. Agência da CEF foi assaltada em Santos, SP Fábio Garcez/G1 A Caixa Econômica Federal não quer renegociar o valor pago aos clientes que tiveram suas joias e demais bens roubados durante um assalto à uma agência em Santos, no litoral de São Paulo, afirma o Procon da cidade. Mais de 90% das pessoas já foram indenizadas, mas a maioria não está satisfeita e procurou o Procon para tentar a renegociação. A agência central da Caixa Econômica Federal de Santos, no Centro, foi assaltada por uma quadrilha de cerca de 15 criminosos em dezembro de 2017. Os bandidos estavam armados e, utilizando uniformes da Polícia Militar, toucas ninjas e máscaras que imitam a pele humana para não serem reconhecidos, invadiram a unidade, fizeram a vigia refém e fugiram levando dinheiro, armas e joias penhoradas que estavam nos cofres. Dias após o assalto que durou cerca de 7h, a instituição iniciou o procedimento para ressarcir os clientes lesados. De acordo com o Procon, a Caixa afirma que mais de 90% deles já foram ressarcidos, porém, mais de 3 mil clientes procuraram o órgão pois estão insatisfeitos com o valor recebido e queriam uma renegociação, mas a Caixa não aceitou. Coordenador do Procon fala sobre clientes que tiveram bens levados durante roubo à Caixa "A princípio, a Caixa diz que não há negociação, também em razão da multa aplicada, que era a última medida ao alcance do Procon de Santos. Essa informação de que mais de 90% das pessoas já foram indenizadas, de fato há essa indenização, mas é referente ao valor incontroverso. Ou seja, de uma vez e meia o valor da avaliação. Nesses 90% não há quitação e satisfação por parte dos consumidores", explica o coordenador do Procon de Santos, Rafael Quaresma. A cuidadora de idosos Soni Regina Soares Aguiar e Silva é uma das clientes da Caixa que teve os bens levados durante o roubo e não está satisfeita com o valor oferecido pelo banco para indenização. Ela não aceitou o acordo. "Levaram joias que pra mim têm valor sentimental, inclusive a minha aliança de casamento que, para mim, tem um valor enorme. Penhorei pois estava precisando do dinheiro e planejava retirar quando me aposentasse. Eles querem dar um valor muito abaixo do que elas valem, eu preferia as minhas joias, mas já que não é possível, que deem pelo menos algo compatível com o que eu tinha lá", conta. Resposta Em nota, a Caixa informou ao G1 que vem atuando de forma tempestiva no caso, sendo que, atualmente, cerca de 90% dos clientes já foram indenizados. Desde o início do ocorrido, várias reuniões foram realizadas com o PROCON e com os clientes, nas quais o banco manteve posicionamento conforme os padrões que regem seus contratos, preservando os critérios técnicos, formais, o bom atendimento e o relacionamento com os clientes. A Caixa afirma que colabora com as autoridades para a elucidação do caso, além de ter adotado todas as medidas para o reforço na segurança de suas unidades, permanecendo à disposição de seus clientes para prestar qualquer informação necessária.